Brasília, 20 de Janeiro de 2018
Página inicial
Quem somos
Contato
Cadastre-se
Anuncie aqui
Notíias | Entrevistas | Notas | Artigos | Enquete | TV Câmara | TV Senado | Agendas
1

Anuncie Aqui

Cunha entrega ao MPF anexo de delação premiada 14.07.2017
Brasília - O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) entregou na sexta-feira à noite os anexos de sua proposta de delação premiada. Isso não quer dizer, entretanto, que ele esteja perto de assinar um acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR). O material ainda está sendo analisado, mas a expectativa dos investigadores, surpreendentemente, não é das mais otimistas. 
 
Cunha e seu ex-sócio Lúcio Funaro buscam meios para sair da cadeia já há algum tempo, mas só recentemente demonstraram de forma concreta a intenção de confessar seus crimes e delatar comparsas. Apenas um deles dois, entretanto, poderá se tornar colaborador da Justiça. Investigadores envolvidos nas negociações da delação garantem: "Por essa porta só vai passar um". 
 
As delações de ambos têm como pano de fundo a segunda denúncia que a PGR apresentará contra o presidente Michel Temer. Prevista para ser encaminhada em agosto ao Supremo Tribunal Federal (STF), a peça acusa Temer de ter obstruído investigações ao ter dado sua anuência pessoal à compra do silêncio de Cunha e Funaro.
 
Preso desde outubro do ano passado em Curitiba, Cunha entregou os anexos e agora aguarda um posicionamento do grupo de trabalho da Lava-Jato na PGR. Funaro - há um ano na cadeia - foi transferido recentemente da Penitenciária da Papuda para a carceragem da Polícia Federal em Brasília. O objetivo: delatar.
 
Formalmente, a delação de Cunha está mais adiantada, mas o histórico do processo de negociação do acordo, bem como o estágio já avançado da Lava-Jato, jogam contra ele. O ex-presidente da Câmara fez todo o tipo de jogo de cena até sinalizar a intenção real de falar o que sabe.
 
Receio
 
Inicialmente, Cunha estava receoso em tentar o acordo enquanto Rodrigo Janot estivesse à frente da PGR. O plano original era aguardar a troca no comando do órgão, mas o ex-deputado mudou de ideia ao tomar conhecimento de que a então favorita para o cargo, Raquel Dodge, pretendia endurecer os critérios para aceitar os acordos de delação.
 
Seus advogados, então, retomaram os contatos com o atual comandante da PGR. É praxe no início das negociações a assinatura de um termo de confidencialidade entre as partes. Os investigadores, no entanto, suspeitaram que Cunha queria esse documento somente para chantagear ex-aliados e não entregou o termo de confidencialidade.
 
Há menos de um mês Cunha contratou o criminalista Délio Lins e Silva Júnior. O objetivo era ter um advogado baseado em Brasília e com experiência em colaboração premiada. "Delinho", como é conhecido o advogado, foi responsável pela delação de Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete do senador cassado Delcídio do Amaral. Ele nega, no entanto, que esteja negociando um acordo para o ex-deputado.
 
Com agências

ABC POLITIKO - LINHA DIRETA COM O PODER

Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal Voltar a P√°gina Principal
VEJA MAIS

17.01.2018 Lula ataca presidente do TRF-4 e o juiz Moro
16.01.2018 MPF pede pena de 386 anos de pris√£o para Cunha
15.01.2018 C√Ęmara aprova R$ 1,5 bi para obras e contrata√ß√Ķes
15.01.2018 Justiça nega novo recurso e impede posse de ministra
15.01.2018 PF indicia Haddad por uso de caixa dois em campanha

VEJA TODOS

SRTVN Quadra 701 Bloco B Sala 826 - Centro Empresarial Norte | Brasília - DF | CEP 70710-200 | Fone: (61) 3328-2991 | Fax: (61) 3328-2152